Se você acha que não foi golpe, está na hora de terminar o serviço;

Se você acha que foi golpe, está na hora de afastar os mais perigosos.

 

Você pode dizer que foi golpe. Você pode dizer que não foi golpe. Você pode ter participado das manifestações, você pode ter apenas assistido, descrente de que essas coisas de política possam ter alguma coisa a ver com seu dia-a-dia e não estar entendendo nada até agora.

Independente de qual seja seu entendimento sobre o que aconteceu, estamos novamente em eleições gerais, as primeiras depois de uma presidente derrubada, políticos, empresários e um ex-presidente presos. O mundo político está mais fragmentado, fazem parecer que ainda não perderam o controle da situação, mas não é bem assim. 

É claro que todos acham tudo isso muito pouco, e com razão, mas por outro lado tudo isso é muito novo.

Para aqueles que não se conformam, é muito claro que essa é uma nova e ótima oportunidade.

Para aqueles que desanimaram e se conformam em apenas reclamar, ainda é dificil negar que não só estão deixando passar uma oportunidade, literalmente por entre os dedos, mas servindo como último apoio à politica essa do imprestável.

Que oportunidade é essa ?

 Quando da saída da Dilma, uma das frases mais recorrentes era: "Primeiro a gente tira a Dilma, depois a gente tira o resto". Sim, eles ainda estão lá. Mas isso não quer dizer que nada mudou. Tudo o que aconteceu e está acontecendo está fazendo a conveniência mudar de lado.

Estávamos acostumados com eleições que apenas serviam para confirmar um plano já negociado e definido. Um ano antes das votações já estavam definidos os candidatos, as chapas, os apoios e, há quem diga, até os vencedores e perdedores.

Nessa campanha todos deixaram vísível a dificuldade em negociarem seus planos. Tiveram que estender a negocição até o último minuto e ainda assim o resultado foi um precário arranjo. Aconteceu não só com os presidenciáveis mas com quase todos os cargos e partidos. Isso é um importante sinal de fraqueza.

Os maiores acordos, os que envolvem mais políticos e mais dinheiro se diferenciaram muito dos demais acordos. Esses são os mais perigosos e também os mais vistosos. Se faltava alguém pra ser tirado, se faltava algo depois de tirar a Dilma (ou mesmo vingar a Dilma), agora é que está mais fácil do que se poderia esperar. Os próximos a serem derrubados apareceção em rede nacional por mais tempo, farão mais promessas e irritarão mais. Se alguém não concorda com o resto ainda estar lá, esse é seu momento. Basta um voto. Basta votar em qualquer um que esteja fora do grupo 'mais influente'. Se for dificil votar, ainda restam as manifestações, e nem é necessário ir às ruas.

Centenas de grupos de discussões, canais de política, páginas, blogs e até memes estão produzindo tudo o que você precisa para entender e fazer sua manifestação. Essa manifestação durará algumas semanas, não tem lider, não tem custo, não incomodará ninguém além daqueles que estão contando com a apatia de sempre. Pode ser desde uma curtida, um compartilhamento ou comparecer à um encontro ou caminhada. Pode expor coerentemente porque um candidato não merece apoio e pode procurar, encontrar e apoiar um candidato porque, afinal, alguém ainda terá que ser eleito. Os que precisam ser derrubados estarão com um alvo nas costas. Os demais, nesse momento, são nossas lanças.

Ideal seria que ninguém fosse eleito. Ideal seria que pudessem ser demitidos a qualquer tempo. Ideal seria que fosse seguro depositar confiança em algúem. Mas não é assim que funciona. Dentro do desse jogo que estamos submetidos o mínimo que se pode fazer é promover a concorrência e a descontinuidade. Está demonstrado na história que acompanhados que a continuidade de partidos e pessoas é viciada. Mantém a pobreza material e a pobreza de idéias. Ficamos tempo demais presos na idéia de que governantes devem ou podem ajudar o povo. É justamente essa idéia que nos mantém nessa situação vergonhosa, convivendo com corrupção, desperdício, atraso, conflitos e pobreza.

Como o mundo real se move, apesar da política, novas idéias estão circulando. As pessoas tem acesso à mais informações e mais comunicação. Podem mais facilmente observar e pensar em conjunto sobre o que se passa e propor inovadoras formas de resolver problemas, inclusive a política.

Muitos estão se lançando pela primeira vez na política. Novas propostas estão sendo apresentadas. Muita gente independente, não comprometida com o sistema que nos trouxe até aqui. Estão descolados do esquema de troca de favores e da promessa, que se revela mentira ou se transforma em cilada.

Esses precisam e merecem sua atenção. Se eles estão se aventurando nesse mundo podre da política duas são as possíveis explicações: ou são mais do mesmo, tentando sobreviver, ou são pessoas que sinceramente estão se apresentando para tentar fazer a diferença. A situação em que chegamos pelo menos deixa muito mais fácil separar um do outro. Se o candidato se expõe ao questionamento, se ele não foge de polêmicas e não protege um grupo em detrimento dos demais, são fortes sinais de que pode atuar de forma positiva para o povo. Ainda restarão muitos políticos, sim, mas menores, mais espalhados, menos perigosos e agressivos.

Isto posto coloco aqui minha humilde contribuição na cobertura dessas eleições. Vídeos todos os dias e lives sempre que alguém pedir. Novos analistas continuan surgindo, publicando (ou compartilhando) suas visões e colaborando com o esclarecimento geral, fácil e barato das pessoas. Discussões estão abertas. Todos podem e devem compartilhar entre sí suas impressões, melhorando suas posições, apoios e críticas.

Resumindo tudo isso:

Se você acha que não foi golpe, está na hora de continuar a limpeza;

Se você acha que foi golpe, está na hora de afastar os que julga como perigosos.

O mais importante de tudo: Se aprendemos alguma coisa é que o presidente não manda nada. O congresso, dominado por criaturas obscuras e desconhecidas, está assim por que desvalorizamos o papel dos deputados, mas eles não. Deputados continuarão sendo eleitos mas muitos são os novos nomes que estão à disposição, e são o que temos como recurso para que não prosperem os viciados de sempre.  

Se você gosta de política e não tinha muito onde falar, se você não gosta de política e quer falar mal, se você apenas quer ter assunto para falar no café, no ponto de onibus, no buteco, no bilhar e até em casa, é pra vocês que quero fazer esse trabalho.

Se não quiser curtir não curte, se não quiser se inscrever não se inscreve. Só espero que fique a vontade para pensar, comentar e compartilhar.